Tamandaré Web 100% Jesus

Portal de notícias da Rádio Tamandaré

Movimentos sociais fazem ato em defesa da democracia e pedem condenação de invasores golpistas, no Recife

Data marca um ano dos ataques golpistas às sedes dos Três Poderes, em Brasília. Manifestação foi pacífica e não interferiu no trânsito do Centro do Recife.

Há 49 dias — Por Repórter Tamandaré

Imagem sem texto alternativo.
Ato em favor da democracia marca um ano dos ataques golpistas de 8 de janeiro de 2023 — Foto: Foto: Iris Costa/g1

Do G1 - Movimentos sociais realizaram uma manifestação nesta segunda-feira (8), no Recife, para marcar um ano das invasões golpistas às sedes dos Três Poderes, em 8 de janeiro de 2023. A manifestação, intitulada "Democracia inabalada", aconteceu entre as 10h e as 11h30, em frente ao Monumento Tortura Nunca Mais, na Rua da Aurora, bairro da Boa Vista, área central da cidade.


Durante o evento, os manifestantes pediram a condenação de todos os envolvidos nos atos golpistas, assim como o fortalecimento da democracia através dos movimentos populares.


A mobilização foi convocada pelo Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social (Cendhec), pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Também contou com a participação de sindicatos, movimentos culturais e representantes do Ministério Público (MPPE) e do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).


Segundo Jaqueline Dornelas, representante da CUT e uma das organizadoras do evento, o ato não foi convocado em nome do presidente Lula (PT), mas sim em respeito à escolha popular que o elegeu.


"Convocamos movimentos populares em defesa da população LGBTQIA+, negra e periférica para defender, não necessariamente, o governo Lula, mas sim o governo escolhido pelo povo. Hoje é um dia de defender a democracia. A gente não vai admitir golpe no Brasil", disse Jaqueline.


Nas invasões do ano passado, milhares de vândalos invadiram e depredaram os palácios do Planalto, do Congresso e do STF. O Ministério Público Federal (MPF) calculou que os custos com o vandalismo ultrapassam R$ 25 milhões — a maior parte no Supremo.


Ao todo, 1.354 ações foram abertas no Supremo Tribunal Federal contra acusados de envolvimento com o ataque. 30 pessoas já foram condenadas, e uma já teve a execução da pena autorizada.